O papel do poeta na construção do mundo.

Segue-se que a vida é essa: una e múltipla. É a convergência de todo o caos num ponto aparente de mundus (ordem). O poeta é aquele que se desloca deste ponto de ordenação, e no real – res – bebe da fonte. O poeta é aquele que, acima de tudo, tem um relacionamento com a coisa. Poesia, em seu sentido essencial de criação, é, senão, a desordem posta na ordem. É a criação pactuada pelo caos.

Ora, quem ousa afirmar ordem na obra de Fernando Pessoa? Quem ousa afirmar que ali é mundo? Clica aqui e veja o desenrolar no poeta Pessoa