Um conto de Tchékhov

A Palerma:

        Dias atrás mandei chamar a governanta dos meus filhos, Iúlia Vassílievna, ao meu gabinete. Precisávamos acertar contas.

― Sente-se, Iúlia Vassílievna! ― eu disse. ― Vamos acertar nossas contas. A senhora provavelmente necessita de dinheiro, mas tem cerimônia demais para pedir… Vamos lá… Nós combinamos trinta rublos por mês…
― Quarenta…
― Não, trinta… Eu tenho aqui escrito… Eu sempre paguei trinta para as governantas… Então, a senhora ficou aqui dois meses… Continue a ler o conto