Entre a infância e o cósmico

Os latinos foram sábios ao terem duas preposições de saída de um local diferentes: exab. O primeiro se define por uma saída de fora de um lugar, estando inteiramente dentro de tal lugar. O segundo, no entanto, se define por uma saída das margens de um local; ou seja: o primeiro é uma saída do território; o segundo, da borda do território. Deste modo, define-se todo movimento ao exterior como uma saída do território. Já o movimento absterior se define pela saída de um território através da borda. Dois movimentos, dois momentos. O primeiro, chamado de desterritorialização territorial; o segundo, desterritorialização de borda. Como, no entanto, passar de um ex para um ab? Daí, entende-se a diferença, pouco discutida, porém mencionada, por Deleuze e Guattari, entre o devir-infância e o devir-cósmico da infância. Devir-infância se define como um movimento para a borda; devir-cósmico da infância, como um movimento da borda. No fundo, por mais que os dois mencionados queiram definir o cósmico como uma desterritorialização da Terra, compreendo que todo movimento humano de devir seja, intrinsecamente, da terra.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s