Do Sentimento de Poder

“A fórmula de nossa felicidade: um Sim, um Não, uma linha reta, uma meta.” [O Anticristo]

 

A valiosa fórmula nietzscheana para a felicidade, que embora descrita numa frase singela esconde uma complexa rede de sentidos, uma floresta de animais selavagens e exóticos, é, para nós homens que levam a termo aquilo que para Nietzsche é o que move o mundo (vontade de poder) ,imprescindível, vital. Ela deve, é verdade, preceder a reflexão que nos move em nossa razão e em nossa paixão. Enquanto axioma, ela é pressuposta, algo que se funda em nossa vontade. Nietzsche queria fugir do niilismo, do estado de degenerescência em que o homem que não podia mais criar se encontrava. Pôr a frente de si uma meta, que seria precisamente a meta das metas, e a meta que seria também superada, é uma ação contra o niilismo. O homem desprovido de sentido, que vê no mundo um vazio terrível, perde seu referencial no mundo, e por isso se resigna, desiste do mundo, fatiga-se e diz, por fim, “já não posso mais correr a lugar algum”.

Hoje, às 2h da tarde, recebi uma notícia que alegrou-me deveras: fui aprovado no vestibular que prestei para o curso de Filosofia da UFPR (Universidade Federal do Paraná). Passar nesse vestibular foi para mim uma meta de caráter vital. Seria aquilo que me resgataria desse lugar imundo em que vivo, e também o que despertaria em mim a alegria de quando sentimos que nosso poder aumenta, que nossa vontade de poder está em alta (eis o que é de fato Bom). É um sentimento de poder que invade meu corpo e me enche de felicidade. Nietzsche diz que a felicidade é a “sensação de que o poder aumenta – de que uma resistência foi superada“, e é precisamente essa ideia de felicidade que constitui o meu espírito guerreiro.

Apartir de agora sou, praticamente, um estudante de Filosofia, um acadêmico – tudo bem, esse título não é muito honrado, mas vamos esquecer as querelas filosóficas entre os academicistas -, estou a meio passo de tornar-me um intelectual de fato. Coisas estão para acontecer. Agora posso sentir que meu desejo de concluir meu Doutorado numa das Universidades mais antigas e nobres do mundo (a Sorbonne, ou Universidade de Paris) está mais próximo, ainda que os anos me separem de sua realização. Mas isso não me importa agora. Estou escrevendo este post apenas para compartilhar com vocês minha alegria e impressão de que algo de muto valioso fora feito, concluído. Poderia eu deixar que isso ficasse aqui dentro, calado, debatendo-se no anseio de sair selvagemente para fora de meu corpo? Alguns pensamentos precisam ser libertos em tempo.

É o que estou fazendo agora!

 

21 thoughts on “Do Sentimento de Poder

  1. “Queria fugir da minha consciencia por minutos.”

    Não compreendi bem.

    “Meus parabéns pela aprovação, Rico.”

    Obrigado, Cure. =]

    “Bom…o resultado não poderia ser diferente ^^ Sempre soube que passarias.”

    Pois é, já eu não estava certo de que passaria, Felipe. Admito que fui acometido por um sentimento de estupefação quando li meu nome na lista de aprovados… hehe

    “Filosofia! *-*
    Adoro as filosofias Nietzschianas!
    Gostaria de fazer filosofia, mas que caminho seguir na filosofia?

    Abraços!”

    Há tantos. Você pode lecionar, você pode escrever livros de filosofia e engajar-se em projetos de caráter científicos. Existem instituições que trabalham com o estudo de certas filosofias. Você pode se especializar em filosofia alemã, em filosofia escolástica, francesa, inglesa etc.

    • ‘Gostaria de fazer filosofia, mas que caminho seguir na filosofia?’
      O aparentemente menos errado ie. falacioso.

  2. Acho que o estudo da filosofia serve como referência ao passado e aos devaneios de grandes filósofos, porque no fundo a filosofia é feita de qualquer coisa que não estudo.

  3. “Acho que o estudo da filosofia serve como referência ao passado e aos devaneios de grandes filósofos, porque no fundo a filosofia é feita de qualquer coisa que não estudo.”

    Em bem da verdade, não. A Filosofia não é um saber que tem como propósito pensar, refletir, sobre o passado, nem muito menosl imita-se à História da Filosofia (estudo dos “devaneios de grandes filósofos”). A Filosofia é a criação de conceitos, e quanto a isso, ela continua muito atual. A escola de frankfurt (marxista) continua a todo vapor, e não é preciso ir muito longe: a esquizoanálise, aqui no Brasil, tem se desenvolvido muito bem. É impossível falar em política, economia, democracia, fascismo etc., sem falar em Filosofia.

  4. A entrada na universidade é uma libertação e acorrentamento que desliza felicidade e realização dentro de nossas vidas… O olhar da vida muda e as coisas começam a tomar um rumo linear e abusivo feito com pouca paciência e muita sensibilidade acadêmica… Abraços

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s