Felipe Pacheco – Symphony No. 1 in G

Fico muito feliz em, aqui informar, que terminei minha primeira sinfonia. Essa sinfonia é toda em homenagem a Yasunori Mitsuda, um grande ídolo meu. Gostaria muito de dividir tal deleite com vocês, leitores. Gostaria então poder mostrar aqui cada movimento e poder falar um pouco sobre cada um.

A sinfonia começa com o prelúdio (santo pleonasmo). Nesse prelúdio eu busco começar de uma forma minimalista, onde eu vou introduzindo o tema aos poucos. No meio da música, acontece o grande clímax, que é interrompido pelo gongo chinês, que então leva ao encerramento da música, preparando o ouvinte para a sinfonia.

O primeiro movimento, eu quis usar algo novo, quis começá-lo com um violão, que simplesmente não tem nada a ver com o movimento (pois é, sem sentido, diferente). Depois do violão, entra um trompete anunciando o início da sinfonia; violinos entram anunciando o tema e então é invadido com uma melodia dramática vindo dos violoncelos, tuba e eufônio; entram as violas com as trompas para enfatizar. O tema é interrompido por um caos causado pelas cordas e metais; a intenção é causar caos, e uma mudança de tema. Após o caos o tema é repetido em cânone pelos vários instrumentos. Então há uma mudança de tema, começado pelo violoncelo e a tuba, as cordas e o english horn ainda insistem no primeiro tema, até que desistem e seguem com o novo tema. Há uma modulação pra mediante, causando uma estranha sensação de mudança de ritmia também; violas invadem e solam, preparando para o primeiro tema. Repete-se o primeiro tema até que termina num acorde maior em tônica. O final foi algo que eu quis botar para enfatizar um estilo meu de trilha sonora, além de eu amar oboé.


O segundo movimento é bem especial para mim, fiz ele quando fiquei sabendo do rompimento de Blue e de Elisa, que me levou a um sentimento estranho de tristeza (por isso o “con malinconia”). O tema é algo que eu aprendi, analizando e observando a partitura da 6ª Sinfonia de Tchaikovsky (♥), que eu gosto de chamar de “Tema da crucificação” (impossível explicar isso sem uma partitura =/). O movimento inteiro se desenvolve por cima desse tema, um tema melancólico, terrivelmente triste. Eu a fiz em apenas um dia, a inspiração foi muito grande pacas (tanto que até cheguei a agradecer Blue e Liza por terem brigado rs).


A partir do meu fascínio pela psicopatia, eu consegui imaginar uma música que pudesse desenvolver a temática “sem sentimento fraterno”. Esse movimento se destaca dos outros por apresentar vozes (baixos, tenores, contraltos e sopranos); a letra é totalmente sádica, possui uma temática sobre o prazer diante a morte, o prazer através da tortura, típico de um psicopata de alto grau. Mas foi exatamente isso que eu quis passar, quis passar os sentimentos mais horríveis possíveis através dessa música, tanto que foi o que me inspirou a fazer o artigo “A música e a responsabilidade” explicando que música nem sempre tem que te passar sentimentos bons. Tendo isso em mente, procurei fazer uma música totalmente atonal (ausência de um tom principal), onde procurei fazer várias dissonâncias que causassem tensões desejáveis e bem sufocantes. Me baseei muito no Requiem de Mozart.


Enfim, o “Finale”! Sim, a música é pequena pra cacete, mas esse foi o objetivo, visto que o Terceiro Movimento é o último. Quis botar nesse movimento um pouco mais de velocidade, virtuosismo e algo mais alegre e pra cima (senão essa seria a Sinfonia da Depressão e Morte -q). Usei um pouco dos temas dos movimentos acimas, alguns invertidos e tal; porém, não dá pra perceber isso direito, porque é meio rápido e sei lá…mas eu percebi XD. Ah sim, e me baseei muito na “The Marriage of Figaro Overture”, de Mozart, pra compor isso.

Espero que vocês gostem do que eu compus. Me tomou quase um mês inteiro pra compor isso aí tudo, mesmo não sendo nada profissional, eu posso dizer que é uma das coisas mais loucas que já ouvi (e olha que eu já ouvi muitas sinfonias mesmo!), porém, nada muito profissional. Melhorarei, prometo ^^

Comentem o que acharam da música, sejam francos ^^

Obrigado.

6 thoughts on “Felipe Pacheco – Symphony No. 1 in G

  1. Talento natoo!!
    Veremos no q da, esperemos por uma orquestra.
    Agora q fez sobre o nosso rompimento ,agora pode fazer sobre a volta. mas disso eu duvido q vc faça xDDD
    BEIJO veio o/

  2. Apreciei deveras a sinfonia. Não pude ouví-la com total atenção, devido o fato de eu estar trabalhando no momento, mas do que foi possível capturar com meus ouvidos, posso dizer sem erro que se trata de uma bela sinfonia. Repetindo o que já disseram: você é talentoso e agora, repetindo o que eu disse certa vez, não duvido que veja, futuramente, o seu nome ligado a algum projeto grande. Continue assim. Você o tal “feeling” tão importante para os músicos. 😄

    • Uma pena estar trabalhando ao ouvir a música, mas aprecio, e muito, que o que ouviu, você tenha gostado 😀

      Valeu pelo que disse…e sim, feeling é importante demais para nós, músicos XDD Blues então…nossa senhora, puro feeling *-*

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s